quarta-feira, 26 de março de 2014

Fale Com Ela Doce Como Quê?

Atores alienados e confusos utilizam um texto teatral, guarda-chuvas e pufes para incompreender o clássico de Tenessee Williams. Jogo entre o texto teatral e o texto dos intérpretes que apontam para o deslocamento de sentidos como possibilidade estética. Favor encontrar setenta erros e alguns atores.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Tubo de Ensaio 2011 - Fronteiras

" Fale Com Ela Doce Como Quê? Ou A CORTINA VERMELHA"

         Atores alienados e confusos utilizam um texto teatral, borrifadores e cortinas de veludo vermelho para incompreender o clássico Fala Comigo Doce Como a Chuva, de Tennessees Williams. É um jogo de erros, um vale tudo que aponta o deslocamento de sentidos como possibilidade estética. As cortinas se abrem! Favor encontrar setenta erros e alguns atores. As cortinas se fecham! Tudo se repete.



"O inconsciente não está escondido. Ele está aqui. O artista precisa desse olhar para as coisas que estão esquecidas"
Simone Reis.











 




       O Projeto Experimental de Arte e Performance " Tubo de Ensaio 2011 - Fronteira"  aconteceu nos dias 1 e 2 de outubro no minhocão-UnB, e contou com a participação dos atores do Laboratório de Performance e Teatro do Vazio (LPTV), entre outros performers.

 “Fale Com Ela Doce Como Quê? Ou A CORTINA VERMELHA"
 Direção in process da coordenação: Simone Reis
 Orientadores: Simone Reis, Cyntia Carla, Giselle Rodrigues e Iain Mott
Fotos: Elise Hirako e Roberto Ávila

domingo, 10 de abril de 2011

WORKSHOP do LPTV no TODO

                                                        O Todo é mais que eu. Clique aqui!

Atenção, atenção!

O LPTV ministrará um workshop de 8h, no evento TODO, na UnB, nessa semana.
O evento será muito interessante e está cheio de oficinas, palestras e bates-papos geniais.
Há mais informações no site: www.otodoemaisqueeu.com.br

Quanto à oficina do LPTV:

Eu e o outro: Performance e Relatos Pessoais.

Será nesta quinta e sexta, dias 14 e 15/04/11. De 8h às 12h, no Departamento de Artes Cênicas, da UnB.
Há uma taxa (estabelecida pelo evento, e que não tem relação com o LPTV) de RS30 reais para estudantes e R$40 para não-estudantes. Alunos de escola pública estão isentos da taxa.


Carta aos interessados:


       O LPTV – Laboratório de Performance e Teatro do Vazio (www.lp-tv.blogspot.com), projeto de extensão da Universidade de Brasília, elaborou uma oficina para não-atores interessados em compartilhar relatos pessoais e experiências de vida, e potencializá-los como material criativo e ponto de partida para compreensão do universo do outro. Serão realizados exercícios e jogos para repolitizar o corpo como lugar de memória e invenção, assim como criaremos um espaço nostálgico ora cômico, ora de reflexão, mas sempre com respeito e cumplicidade. Suas histórias, por mais banais que pareçam, por meio da performance, que une teatro e vida; criam um novo conceito artístico, onde presença (ser) é mais importante que representação (fingir ser/ ser outro).


Obs: Venham com roupas confortáveis, e se quiserem, tragam objetos/roupas/música/fotos relacionados com alguma história/momento da sua vida.





Mais sobre a oficina:



       O LPTV tem desenvolvido sua pesquisa baseada em relatos pessoais, memória e performance. Um novo conceito de teatralidade surge quando optamos por colocar não-atores em cena. Esse lugar cross-border entre a vida e o teatro necessita de uma metodologia contemporânea consciente das relações no mundo atual. Tendo como inspiração conceitual o seguinte poema “O Outro” de Mario de Sá-Carneiro:


Eu não sou eu nem sou o outro,
Sou qualquer coisa de intermédio: Pilar da ponte de tédio
Que vai de mim para o Outro.
(Lisboa, fevereiro de 1914)


         No qual é abordada questões como o desconhecimento de si, a negação do passado e frustração quanto a relação com o outro. Onde a “ponte de tédio” é uma comunicação falha, ilegível, do meu universo com o alheio; e ainda, entendendo a performance como um ato político a partir da inquietação: "Existem pessoas capacitadas e outras incapacitadas para a criar?", foi que o grupo optou pela elaboração de uma oficina (onde experimentaremos exercícios criados pelo LPTV), em que o único pré requisito é: ser um não-ator.


       Diferente de uma oficina teatral para iniciantes, e acreditando na filosofia do importante artista alemão Joseph Beuys de que “Toda pessoa é um artista”, sugerindo a democratização artística sem desconsiderar as habilidades pessoais de cada pessoa, trabalhamos com uma teatralidade onde a presença é mais significativa que a representação. As possibilidades geradas a partir das vivências pessoais e culturais de cada pessoa são o que consideramos material criativo para a cena, e ponto de partida para o reconhecimento do outro. Segundo Beuyes:


[...] a criatividade não é monopólio das artes. Quando eu digo que toda pessoa é um artista eu quero dizer que cada um pode cultivar a artisticidade tanto na pintura como na música, na técnica, na cura de doenças, na economia ou em qualquer outro domínio. A nossa idéia cultural é muitas vezes redutora. O dilema dos museus e das instituições culturais é que limitam o campo da arte, isolando-a numa torre de marfim. O nosso conceito de arte deve ser universal, terá que ter uma natureza interdisciplinar com um conceito novo e ciência [...] BEUYS, Joseph. Entrevista com Franz Hak, 1979.

          A oficina possibilita, além da divulgação do nosso processo, o intercâmbio real, entre oficineiros e participantes, por meio da cumplicidade, da escuta e do compartilhamento das experiências vividas. Em um mundo cada vez mais conturbado, esquecemos de ouvir, de recordar e de criar; enfim, de viver em harmonia com os outros e com si. É a desconstrução da “ponte de tédio” de que fala Sá-Caneiro, que “vai de mim para o outro” através da comunicação e da coexistência por meio dos relatos, parte fundamental na instigação da criatividade como instrumento de libertação e desenvolvimento pessoal:


"O performer vai representar partes de si mesmo e de sua visão de mundo."  
               (Cohen, 1989, p. 106)




Obs: Ao final da oficina podemos fazer uma demostração dos exerícios, no dia específico para a mostra dos resultados das oficinas.


Referências:
COHEN, R. Performance como Linguagem, São Paulo, Perspectiva, 1988.
SÁ-CARNEIRO, Mário de. In: Poesia. Org: Fernando Paixão. Ed. Iluminuras, 2ª ed. São Paulo, 2001.




Objetivos:




  • Proporcionar um espaço temporário nostálgico de recordações, exercitando a memória e revivendo momentos da trajetória pessoal de cada participante, assim como provocar a reflexão e o respeito e usá-los para construir uma comunidade efêmera, mas um senso de coletividade permanente;

  •  Descobrir novos modos de se relacionar com o seu próprio corpo, repolitizando-o como lugar de prazer e desconforto, de memória e reinvenção.

  •  Aproximar arte e vida, e compreender a auto-referência/biografia como material criativo interessante e potente;


  • Desenvolver novos modelos de relação entre artistas e comunidade, assim como encontrar novos modos de ser e se relacionar com o outro.





domingo, 27 de março de 2011

Member Spotlight: Natasha Padilha e LPTV



O LPTV, representado por Natasha Padilha, está em destaque essa semana no site Contemporary Performance.

Em breve teremos uma entrevista publicada no site.

O LPTV agradeçe a todos que votaram e ajudaram a mobilizar amigos e conhecidos para a votação que nos deu a oportunidade de estar em destaque nesse site que tem repercussão mundial.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

LOOK DO DIA +7: Entrevista de emprego.

- Oi.Tudo bem? pode se sentar.
- Oi. tudo. Ok.
- Gostei do seu look! Você me passa credibilidade!

É isso que você quer ouvir na sua entrevista de emprego??
SIIIM!!!!!!
Então, muita atenção nessa dica valiosa: esse look cheio de cor e credibilidade para qualquer tipo de entrevista relacionada a fins profissionais.
Vista-se e empregue-se.
Natasha usava muito pouco na Rússia, mas tem apostado muito nesse look +7 aqui no Brasil.
"É um dos meus favoritos" diz ela.

Jeito LPTV de ser. [te ajudando nos trampo]

LOOK DO DIA +6: Primeiro encontro

Bom dia, how u doing?
você vem sempre por aqui?
É esse o clima: azaração e paquera, no look de hoje. OH YES, um look queeeente!
Você quer que o seu primeiro encontro perdure por mais tempo? noite adentro?

Então, se atene nesse visual, pensado estrategicamente para essa ocasião tão emocionante.

Seja sensual e engraçada, sem ser vulgar. (e leve sua bolsa rosa  ''Marinês Kaiu'' para vender os produtos Marinês Kaiu no caminho e não ter prejuízo para pagar o jantar/motel com o gatinho(a) )

Jeito LPTV de ser [quente na paquera]



LOOK DO DIA +5: Praia

Oi.
Esse look é luxo. É tendência.
É um look ultra elegante, feito pela editora da Vogue, Malvina, para o verão brasileiro.
Para aproveitar horas do seu hobby favorito: matar moscas na praia ou clube.
Dá um ''ctrl C, ctrl V ''

Jeito LPTV de ser. [No verão]

LOOK DO DIA +4: Zoo

Hi,

Hoje, o look do dia é para um dia bonito de sol.
Porque não ir ao Zológico? E porque não ir com esse look?
Como ir sozinho ao zológico é extremamente depressivo, fizemos o look pensando em um casal.
Confortável, moderno e instigante.
É vestir pra crer.

Jeito LPTV de ser.